Luciene Nascimento - Desencarnada aos 15 anos de idade, em Uberlândia, (MG). Vítima de acidente automobilístico:

"O que aconteceu em caminho, não saberia contar. Se uma bomba estourasse sobre nós, vindo de procedência desconhecida, seria o mesmo, porquanto me via arrasada por um estrondo, e as ferragens do carro rangeram, qual se a máquina tivesse vida e estivesse quebrando os próprios nervos, nas estruturas dela, sob a pressão de algum petardo que fosse atirado sobre nós.

 Ainda hoje não consigo alinhar minudências. Aliás, é contado frequentemente, por aqui, em minha vida nova, que as vítimas de acidentes de automóveis e aviões nunca se conscientizam de pormenores dos desastres que as surpreendem, de vez que, estando no bojo dos aparelhos, a gente não dispõe de muitas possibilidades para revisões do assunto. 

Naquele instante, senti-me no dever de me levantar para as tarefas de socorro em auxílio de alguém, pois ouvia os gritos e as petições dos companheiros de viagem. Entretanto, uma força irresistível se apoderou de mim, como se eu me sufocasse, inibindo-me as palavras. O corpo esmorecera. Não sei, foi um sono de tranquilidade maciço. Comecei a ouvir cada vez mais longe as vozes dos companheiros até que muito a contragosto, adormeci totalmente. Anestesia da brava. Somente acordei não sei depois de quanto tempo, a pedir socorro . . .Reconhecia-me de corpo integro, e acreditei que não a muita distância de casa, mas a vovó Luíza se encarregou de vir ao meu encontro, dialogando comigo. 

A idéia da morte não é flor de nossos jardins, por muito que se sofra, e quando a benfeitora me disse que me conformasse com o acontecido, entreguei-me em crises de lágrimas, que não conseguiria frustrar. A vovó permitiu que eu chorasse o quanto quisesse e, depois que as nuvens de minha tristeza se desfizeram em pranto, pude saber, sem alarde, que a nossa Nelize voltara igualmente à Vida Espiritual, e se encontrava sob a tutela de afeição querida da família Campos. Um vazio de esperanças se fez na cachoeira de meus pesares, e eu adormeci lentamente a refazer as próprias forças".

< - voltar à página anterior